As novas perspetivas da terceirização e do trabalho temporário

As novas perspetivas da terceirização e do trabalho temporário

As mudanças na lei da terceirização e a contratação de colaboradores temporários ainda causam inquietações no mercado e atingem tanto profissionais quanto empresas. Conheça os motivos.

A  Lei da Terceirização (13.429/2017) trouxe um alento para empresas e abriu possibilidade de trabalho para inúmeras pessoas. Estimulou a contratação dos serviços das empresas de terceirização de mão de obra e facilitou a contratação de colaboradores temporários.

Sua principal mudança está no fato de liberar a utilização de mão de obra terceirizada em todas as atividades, sem restrições, exceto para as que possuem legislação própria como as empresas de vigilância e de transporte de valores.

A Lei deixou claro também e de maneira definitiva que a tanto a contratação de colaboradores terceirizados como temporários só pode acontecer por meio de uma empresa fornecedora de mão de obra certificada e que disponibilize profissionais devidamente treinados.

A prestadora de serviços é responsável por selecionar, contratar, remunerar e direcionar o trabalho realizado por seus empregados nas instalações físicas da contratante.

Também nos dois casos – terceirização e contratação temporária – a fornecedora de mão de obra responde pela documentação legal dos empregados e contratos de prestação de serviço.

Do ponto de vista jurídico, a principal diferença nesta modalidade de contratação está no objeto do contrato.

Enquanto no trabalho temporário a empresa prestadora de serviços de contratação disponibiliza trabalhadores para uma determinada empresa, na terceirização, a intermediação é feita de empresa para empresa.

A terceirizada atua como uma fornecedora de mão de obra e designa seus empregados efetivos à outra empresa, para prestar um determinado serviço.

Na terceirização, ao contrário do regime temporário não existe previsão de encerramento de contrato no curto prazo. Ou seja: caso as empresas envolvidas mantenham o acordo, o funcionário pode passar anos desempenhando a mesma função.

Alterações principais na terceirização

As mudanças na Lei da terceirização e do trabalho temporário realizadas em 2019 trouxeram outras deliberações importantes que você deve conhecer.

Confira.

1 – As empresas podem terceirizar sua atividade principal.

2 – Os direitos trabalhistas garantidos pela CLT permanecem inalterados, mesmo com as alterações da nova Lei. Assim, benefícios como férias, horas extras e o 13º salário continuam a ser pagos aos colaboradores terceirizados.

3 –  Um funcionário já vinculado à empresa por CLT jamais poderá ser terceirizado.

4 – O vínculo empregatício agora é de responsabilidade da prestadora de serviços — e não mais da empresa contratante. Assim, caso haja algum problema trabalhista, o funcionário deverá entrar na justiça contra a empresa que de fato o contratou (prestadores).

5 – Os serviços devem ser específicos e determinados na contratação, ou seja, não são permitidos contratos genéricos. Isso limita, como a própria lei menciona, a utilização de trabalhadores para finalidades e funções diferentes das estabelecidas em contrato.

6 – A empresa contratante é a responsável pelas condições de segurança, higiene e salubridade dos profissionais da prestadora de serviços.

7- A lei determina que o pagamento dos colaboradores bem como os devidos recolhimentos sejam feitos pela empresa prestadora de serviços. No entanto, existe a Responsabilidade Solidária: a empresa contratante deverá quitar os direitos não pagos pela prestadora de serviços caso ela não honre com seus compromissos.

Em outras palavras: se a prestadora de serviços não efetuar o pagamento das verbas salariais devidas ao empregado, a responsabilidade será transferida na sua totalidade à tomadora de serviços, responsável subsidiária configurando ou não o vínculo.

Sendo assim, é muito importante, ao fazer a contratação de uma empresa terceirizada ou de trabalho temporário sempre averiguar sua capacidade financeira, sua idoneidade e exigir garantias. E ainda solicitar mensalmente os comprovantes de pagamento do FGTS e GPS.

8 – A Fiscalização do Trabalho poderá exigir da empresa tomadora de serviços a apresentação do contrato firmado com a empresa de trabalho temporário e, desta última, o contrato firmado com o trabalhador, bem como a comprovação dos recolhimentos da contribuição previdenciária.

Mudanças na contratação temporária

Na contratação temporária, as principais medidas são no sentido de dar mais proteção ao trabalhador.

1 – É permitido, contratar trabalhadores temporários para a realização de qualquer atividade;

2 – A duração do trabalho temporário passa de 90 para 180 dias (consecutivos ou não) prorrogáveis por mais 90. Ultrapassado este período, o contrato passa a ser considerado como prazo indeterminado;

3 – O colaborador temporário tem o vínculo intermediado por uma Empresa de Trabalho Temporário e tem suas atividades subordinadas à empresa contratante.

4- A contratação não pode ser feita diretamente pela empresa. O processo de contratação se dá por meio de Empresas Privadas de Emprego Temporário e autorizados pelo Ministério do Trabalho para exercer a atividade.

5- O empregado temporário deve ser contratado para executar as mesmas   funções dos empregados efetivos da empresa contratante e tem o direito de receber remuneração equivalente aos dos empregados efetivos;

6- O temporário pode atuar na atividade-meio ou na atividade-fim da empresa utilizadora da mão de obra, e exercer suas funções com pessoalidade, habitualidade e onerosidade. Ele fica subordinado à empresa utilizadora do serviço contratado;

7 – É garantido aos contratados temporários os mesmos benefícios/direitos existentes na CLT.

As mudanças da Lei da Terceirização para as empresas

Como dissemos acima, o  principal item da mudança na  Lei da Terceirização (13.429/2017) é Possibilitar a terceirização de todas as atividades.

As demais alterações servem ou para regular as relações entre contratante e contratado e para proteger os direitos dos profissionais – tanto para terceirizados como para temporários.

A possibilidade de contratar profissionais para exercer suas atividades-fim possibilita às empresas, entre outras vantagens, ganhar eficiência operacional por inserir em seus quadros prestadores de serviços especializados e assim aumentar a produtividade.

Mas não se deve pensar na nova lei apenas para tornar as contratações “mais baratas.”  Há sempre o risco de vínculo e de processos trabalhistas e o pior, de se manchar gravemente a imagem da organização pela precarização das relações de trabalho. O ideal é fazê-lo de forma estratégica e com o devido suporte jurídico.

________________________________________________________________________________________________________________________________

Se você tem dúvidas e pensa em contratações temporárias ou terceirizadas, conte com a Prompt! Com mais de 22 anos de experiência, a Prompt e sua equipe de profissionais especializados ajudará você na busca da melhor solução para sua empresa.

Envie uma mensagem ou deixe seu contato. 

Este post tem um comentário

Deixe uma resposta

Fechar Menu
FALE COM O SETOR COMERCIAL
Prompt Serviços
Fale com o setor comercial
Solicitação via formulário Clique e inicie uma chamada telefônica (SP) Clique e inicie uma chamada telefônica (GRU) Clique para iniciar o Chat Online Clique para enviar um e-mail